segunda-feira, 1 de novembro de 2010

O outro lado da moeda: o que esse país tem de ruim?

Na última semana recebi um e-mail da Tayza, brasileira que já morou fora do país e agora pensa em vir para o Canadá. Escolada com a experiência anterior, ela já sabe que nem tudo são flores no primeiro mundo, e sugeriu que eu escrevesse sobre os defeitos do Canadá.

Acho mesmo que faltava abordar esse tema aqui. Um dos grandes erros que um candidato a imigrante pode (e tende a) cometer é construir uma imagem de que aqui tudo é bom e melhor do que no Brasil, criar uma fantasia que vira paixão e suprime a razão.

A intenção aqui, portanto, não é desencorajar ninguém a perseguir seus sonhos, se viver no Canadá é parte disso. Pelo contrário, esse post é apenas a minha opinião sobre as dificuldades e os problemas que se deve saber que existem.

Eu não vou falar de problemas de nenhuma cidade em específico (como as deficiências to TTC em Toronto), mas de coisas comuns a todo o país.

Os pontos abaixo não estão em nenhuma ordem de relevância, apenas estão na ordem em que me vem à cabeça:

1. Dificuldades para conseguir emprego

Nessa terra em que o que não falta é imigrante, um grande desafio é conseguir um emprego à altura das suas qualificações. Sobram razões para essa dificuldade: falta domínio da língua, falta familiaridade com a cultura, falta network para além da comunidade brasileira, falta experiência no mercado canadense e faltam referências a seu respeito. Muito se fala sobre motoristas de taxi com PhD como exemplo de profissionais qualificados que nunca conseguiram acessar o mercado aqui. Acho que essa é realmente uma dificuldade muito grande, e não está relacionada com nenhuma forma de pre-conceito; basta se colocar no lugar do empregador.

A solução? Muito preparo (mas muito mesmo), reservas financeiras pra queimar enquanto não conseguir se colocar, e uma boa dose de sorte.

Depois de conseguir emprego, o desafio é desempenhar na plenitude do seu potencial.


2. Impostos

A carga tributária aqui é escorchante. Pra quem vem do Brasil e já está acostumado com a extorsão oficial sem receber nada em troca, ri de fratura exposta porque tem acesso a saúde, educação, segurança, etc. Mas assim que passa o encanto inicial e você se acostuma com os serviços públicos (que também têm seus defeitos, diga-se de passagem), você vai morrer de raiva cada vez que receber o holerite ou fizer compras.


3. Atendimento na saúde pública

Não acho que se pode reclamar do atendimento de saúde aqui, considerando que é verdadeiramente para todos - ninguém morre em fila de hospital. Mas é fato que, para o imigrante que vem como skilled worker, via de regra com boa situação financeira no Brasil e usuário de planos de saúde privados, o atendimento está longe do que estávamos acostumados. É comum haver longa espera nos hospitais para quem não está em estado grave, os médicos não são muito bons em te dar feedback após exames, e o acesso a especialistas precisa antes do encaminhamento por um generalista (ou family doctor).

Cabe lembrar também que alguns serviços de saúde não são cobertos pelo sistema público, como dentistas e fisioterapeutas, por exemplo. Sai do bolso e é caro, para aqueles que não tem plano complementar privado (geralmente oferecido pelos bons empregadores).


4. Frio

Aqui é frio. Ponto. É suportável, há toda uma estrutura para lidar com isso (isolamento térmico, aquecimento em todo lugar, caminhos subterrâneos), mas é frio. E aí, meu caro, ou você aprende a gostar do frio e das atividades próprias de inverno, ou vai odiar isso aqui e se confinar em casa.


5. Demasiada concentração de imigrantes

Aquilo que é parte da riqueza cultural do país - sua multiculturalidade - pode também ser algo muito negativo, por vezes. É que em muitas regiões a concentração de uma determinada etnia modifica totalmente o ambiente, com a prevalência dos costumes de origem daquela comunidade. Não é difícil se ver em meio a tantos orientais que parece que você se mudou pra China, e não pro Canadá. Ou tanto turbante que o ocidental é que é o peixe fora d'água. Não que eu nutra preconceitos por qualquer dessas etnias, mas o fato é a carga cultural, os seus hábitos (como higiene) e valores (como o valor da mulher, por exemplo), são diferentes dos nossos e do que você poderia esperar encontrar num país anglo-francófono.

Ademais, num país em que as pessoas respeitam as regras simplesmente porque assim aprenderam, infelizmente quem vem de culturas em que o espertalhão é quem burla tudo e desrespeita todos acaba causando um estrago e tanto.


Vou parando por aqui, não porque este post esteja ficando longo, mas porque nada mais me vem a mente como algo tão negativo que mereça ser mencionado. Bom sinal, não é?

6 comentários:

Drinho e Nessa disse...

Excelente post... e engrosso o coro, com a afirma'cao de que o imigrante tem que vir preparado para, muitas das vezes, dar alguns passos para tras, para chegar onde deseja. Basta planejamento, como mencionado, que realmente eh possivel chegar lah, com honestidade (sem ter a sensacao de estar sendo otario por isso, como no nosso Brasil...

drinhoenessa.blogspot.com

Tayza disse...

Oi Rapaz!

Obrigada pela resposta!

Como agora precisa mandar o resultado do IELTS junto com os formulários iniciais, ainda devemos levar um ano na preparação e avaliação destes planos... Até sobre a Austrália e Nova Zelândia estamos pensando, mas por enquanto o Canadá tem parecido mais vantajoso.

Vlw pelo help, bj pra esposa e pro bebê!

http://praondenow.blogspot.com/

Com o pé no Canadá disse...

Adorei o post! Assim q li o titulo eu pensei: "Lá vem balde de agua fria"...rsrsrs mas q nada... Adorei o lado ruim do Canadá....rsrsrsrs Sentiu o desespero das pessoas aqui pra sair do Brasil né.

Um bju p/ vcs! Sa

Luciana e Marcelo disse...

Olá Márcio !

Gostamos muito do post. A realidade é assim mesmo, tem que ser dita e escute quem achar conveniente e agregador. Nada cai do céu nos nossos braços... exceto...
Um grande abraço.
Marcelo

Patricia disse...

olá, sou patricia, Brasil, Praia Grande-sp, meu marido tem muita vontade de trabalhar no Canadá, mas nunca nos empenhamos de fato, pois tenho muito medo dessas mudanças radicais...tenho um menino de 4 anos e outro de 8 meses,então, penso muito como vai ficar a cabeça do mais velho com mudança de escola onde ninguém fala portugues...e penso também no pediatra, se são confiáveis...vi que vc listou alguns pontos negativos, achei muito importante o que vc listou....vi tb que vcs tem um bebê...Enfim, como tem sido lidar com o pediatra? É tranquilo? Dá pra confiar? Agradeço muitíssimo se puder me esclarecer quanto essa questão de médicos para as crianças. Meu contato: patricia.fontes@hotmail.com

Ed disse...

Muito interessante esse post .... Relativamente ao "estar muito bem preparado financeira ,eu e minha esposa estamos nos preparando,mas precisamos ter uma ideia de quanto se precisa pra dar inicio a uma vida nova no canada,tendo em consideraçao de que n ha garantias de um emprego imediato.